novembro 17, 2007

A Revolução

Posted in Meus textos às 6:58 pm por espacointuicao

Sinópse: Este texto foi escrito por mim para o Concurso de Crônicas e Poesia da FAPAM, com qual me classifiquei em 2º lugar. Através do texto procurei refletir sobre as “Revoluções” que supomos tê-las vivido. Questiono também o atual estado de coisas que, apesar de construído pelos homens, transcederam o seu criador e são considerados algo indiferente ao Homem, algo sagrado e, como nosso algoz, guia nossa vida. Será que o sistema tornou-se consciente?


Por Joandre Oliveira Melo

A Revolução é o ato mais puro da existência humana. É através dela que ocorre a mudança radical, em todos os sentidos: em nossa organização social, nossa forma de viver e relacionarmos com os outros. Enfim, através dela impérios são derrubados, governos e organizações políticas emergem, idéias se corporificam.

É a fantástica e vigorosa ação do Homem, determinado, levada às últimas conseqüências, dirigida pelas condições materiais de sua existência, para, de alguma forma, tomar-lhes as rédeas e por o antigo abaixo e sobre seus escombros soerguer aquilo que consideram novo e perfeito. Algo que possam se vangloriar.

A Revolução, para alguns, está revestida de uma áurea sagrada, é a realização do espírito indômito do ser humano, a materialização dos ideais, dos seus anseios e devaneios. O solapar das forças e poderes vigentes pelas novas forças e poderes que passarão a reger as ações humanas, a guiar suas vidas. Legitimam-na com a humilhação e destruição do “antigo”, do “atrasado”, daquilo que deve mudar. Regam-na com o sangue dos vencidos, alimentam-na com a carne dos que tombam pelo caminho.

A Revolução, necessária e ao mesmo tempo detestável e vil, dirigindo a humanidade para o seu fim único: O recomeço, às suas origens, a plenitude do animal “humano”. Desencadeadora de mudanças, berço do novo que se tornará velho e sucumbirá com a próxima Revolução, rompendo laços dolorosamente, ou apenas desatando alguns nós ou, às vezes, de um só golpe rompendo o “nó górdio”. Algumas vezes a solução, em outras, a causa do problema.

Não é isto que temos feito todos os anos da nossa “evolução”? Revolucionamos sempre… Mas, será que sentimo-nos livres, plenos? Hoje somos o máximo que a Revolução pôde nos transformar…

No entanto, na esteira de Rousseau, hoje somos degenerados, porque pensamos e revolucionamos. O Homem verdadeiro criado pela natureza, mãe de todos, morreu. A Revolução o matou. Será que não seríamos tão selvagens na visão de um Australopithecus (designação de ser ancestral da espécie Homo. Cf. JOHANSON, Donald C. O filho de Lucy. RJ. 1998), quanto eles os são para nós? Portanto, quem são os degenerados? Aqueles que a mãe natureza criou ou o Homem que o Homem criou?

De Revolução em Revolução, criamos consciência de nós mesmos, e a demos ao sistema; nasceu o grande Leviatã, o crocodilo das águas. Em defesa do Homem, da luta de todos contra todos, nasceu o Capitalismo; sistema que nos segrega, nos aprisiona, nos manipula como quer. Ele já existe quase por si só. E o Homem que revoluciona quase inexiste… Nada pode nos parar, entramos em rota de colisão…. O espírito humano já não consegue nem mais a sua voz, não pode mais refletir, nem sentir sua insignificante presença no universo, sua efêmera existência material.

Mas, acima de tudo, pensamos…

Revolucionamos…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: