outubro 14, 2009

A Evolução

Posted in Poemas às 1:17 am por espacointuicao

Fui rocha, em tempo, e fui, no mundo antigo,
Tronco ou ramo na incógnita floresta…
Onda, espumei, quebrando-me na aresta
Do granito, antiquissimo inimigo…
Rugi, fera talvez, buscando abrigo
Na caverna que ensombra urze e giesta;
Ou, monstro primitivo, ergui a testa
No limoso paúl [paul], glauco pacigo [pascigo]…
Hoje sou homem – e na sombra enorme
vejo, a meus pés, a escada multiform,
Que desce, em espiraes, na immensidade…

Interrogo o infinito e ás vezes chóro…
Mas, estendendo as mãos no vacuo, adoro
E aspiro unicamente á liberdade…

Anthero Tarquínio de Quental(1842-1891)

__________________
(*)Foto: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/9/9d/Antero_de_Quental.jpg, em 13/10/2009 – 23:00hs
QUENTAL, Anthero de. Os sonetos completos de Anthero de Quental.(Martins, Oliveira [1845-1894])Texto disponível em: http://purl.pt/index/geral/aut/PT/10763.html. 14/10/2009 02:30hs
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: