novembro 8, 2009

"1989 o ano que mudou o mundo"…

Posted in Comentários Blogs amigos, Meus textos, Meus textos; Economia às 11:49 pm por espacointuicao

Por Joandre Oliveira Melo

Há algum tempo atrás escrevi um texto baseado em um artigo da Folha de S. Paulo sobre a queda da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. O texto apresentava uma breve consideração sobre o que eu pensava sobre a queda de um pseudo-socialismo, se me permitem. Considero que na Rússia nunca foi implantado realmente o socialismo pregado por Marx. Ainda penso que deveriamos debruçar-nos sobre a obra do grande filósofo para fazermos uma (re)leitura do sentido filosófico de socialismo para Marx.

Amanhã, no entanto, comemoramos os vinte anos da queda do muro de Berlim. Construído em 1961 para dividir as possessões Soviéticas das Ocidentais (EUA, Inglaterra, França). No lado leste (oriental) estabeleceu-se a República Democrática Alemã – RDA; instalou-se ali, um regime mais duro, uma moeda forte sustentada pela atual Rússia e o sistema político baseado no Socialismo. Do lado Oeste, portanto Ocidental, a República Federativa Alemã –
RFA (nunca consegui entender bem porque a Democrática era a Socialista). Essa dicotomia sustentou-se – utilizando-se da força do exército da RDA – até 1989, quando já desgastado, o Socialismo não mais pôde conter os conflitos e a essência do muro ruiu, literalmente. Estava aberta a “cortina de ferro” e alguns meses depois foi a vez do Socialismo e da União Soviética sucumbirem.

Certo do que aconteceu realmente, não estou, já li várias interpretações. Observo, porém que a queda da alternativa socialista e o cessar do conflito entre a dicotomia Capitalismo-Socialismo, deixou-nos à mercê das forças do mercado, corroborando para fortalecer a tese do liberalismo. Ocorre que, findo as tensões, os problemas não se resolveram, as crises do Capitalismo continuam – lembre-se da atual – e a diferença entre ricos e pobres só aumentou.

Em um mundo sem alternativas e com a esquerda destroçada, não temos outra alternativa a não ser rendermos ao mercado. Será este o nosso fim, transformarmos em coisas errantes, com preços mensuráveis?

___________________
(*) A foto acima e mais notícias sobre a queda do Muro de Berlim e do Socialismo, disponível em: http://ultimosegundo.ig.com.br/murodeberlim/2009/11/05/queda+do+muro+anunciou+derrocada+da+uniao+sovietica+dizem+especialistas+9010072.html, 08/Nov/2009 22:19.

Anúncios

janeiro 31, 2009

Comentário a um amigo

Posted in Comentários Blogs amigos às 1:38 am por espacointuicao

Flávio
Não poderia deixar de comentar o seu post. O senhor CARLOS ALBERTO LIBÂNIO CHRISTO( Frei Betto) é um cara excepcional. É um em um milhão. Gostaria em algum momento de conversar com ele… Adepto da teologia da libertação – da qual tenho grande admiração, capaz de tirar a Igreja Católica e sua imutável hierarquia do seu sono dogmático e confrontá-los com a realidade, realidade do povo de Deus que tem fome: de pão, de justiça – ele é um homem que acima de tudo sabe que os homens precisam e escreve cada palavra no seu devido momento… É sempre um prazer ler os textos que ele escreve…

Quanto a alusão a sócrates, hoje andando pelo Shopping Del Rey em Belo Horizonte, onde fui passear com a minha família, desfrutar um pouco das maravilhas capitalistas, observava algo parecido. Nas lojas de brinquedos onde avolumavam-se pessoas e crianças todas bem vestidas, alimentadas e “felizes”, carregando enormes sacolas com parafernálias eletrônicas que provavelmente não durarão mais do que uma semana e, logo servirão para aumentar todo aquele lixo que levará séculos para ser degradado pelo ambiente e ser reintegrado à terra. Era uma visão paradisíaca, tudo muito perfeito, tudo muito bom, o mundo realmente é tudo de bom. Porém, ao sair do shopping, a apenas alguns metros deparei-me com uma família maltrapilha, esquálida (para não dizer faminta) e “triste”, vagando sem destino. Então disse aos meus filhos, que também vislumbravam aquela cena: Acabamos de sair do paraíso e caímos no limbo, só que esse limbo não é a morada do demônio, ele não fez nada para criá-lo; os homens o criaram, eu e outros homens… Fomos colocados sob um sistema cruel, porém, nada fazemos para mudá-lo.

Não pude deixar de pensar, se eu estava ali, ao lado de Beatriz – no paraíso Dantesco – alguém deveria estar ocupando o meu lugar no limbo…

Joandre

16 de Dezembro de 2007 16:19