outubro 20, 2009

História "Contra-factual" em Pará de Minas

Posted in Artigos, História, História do Brasil, Meus textos às 3:56 am por espacointuicao

Por Joandre Oliveira Melo


A primeira lição que os historiadores e professores de História recebem na graduação é: “Na História não existe, Se…”. É óbvio, pois, o historiador trabalha, preferencialmente com fatos, algo que aconteceu e que pode ser sentido e interpretado. Aquilo que não fazemos ou, apenas imaginamos, não altera o curso dos acontecimentos como um todo. Para o historiador atual, cada pessoa é como uma pedra atirada em um lago de águas tranquilas; ao tocar a superfície, um conjunto de ondas espalha-se por todo o espelho d’água, em todas as direções. Arremessando mais pedras, as ondas provocadas pelas colisões com a água, sobrepõem-se interagindo com as anteriores em uma movimentação frenética e única.

Nossa breve analogia demonstra as ações solitárias de cada indivíduo interferindo no todo maior: a sociedade. Logo, se você segura algumas pedras e não as atira contra a água, a sua ausência interferirá no sistema, pois as pedras não foram atiradas, apesar de existir no grupo, assim, não interagirá com o todo: o meio social.

No entanto, você pode se perguntar: – E se as pedras fossem atiradas ao lago, no meio de milhões, faria alguma diferença? Seria suficiente para alterar o balé das ondas? A resposta seria: sim. Assim, de acordo com a analogia apresentada, seria possível escrever a História definitiva de um povo ou uma nação? A resposta, segundo o preclaro e longevo historiador, Eric Hobsbawm, seria: “não”, pois, “(…) cada geração faz suas próprias perguntas sobre o passado(…)”(HOBSBAWM, Eric. Sobre a história, São Paulo: Cia. Das Letras. 2002, p. 256).

Com efeito, não podemos fazer uma História definitiva, mas isto não invalida a atividade séria das pesquisas, nem desclassifica a História enquanto ciência. Porque, acompanhando o pensamento de Hobsbawm, os historiadores podem chegar a algum consenso em relação à interpretação dos fatos. Logo, do consenso, nascem teorias.

Hobsbawm exemplifica analisando um fato: A revolução Russa. Para ele, a Revolução Russa – processo histórico que culminou com a tomada do poder das mãos do Czar, na Rússia, em 1917, pelos Bolcheviques – tem pelo menos duas histórias entrelaçadas: A primeira, como os Russos enxergaram a revolução, sendo atores do processo. A segunda, é o sentimento do resto do mundo, que passou a viver uma polaridade ideológica, após o passagem do Czarismo para o Socialismo. Ele ainda especula enumerando possíveis situações: “Era inevitável uma Revolução na Rússia? O Czarismo podia ter se salvado? E se Lênin não tivesse voltado para a Rússia?”. As questões propostas são apenas algumas situações imaginadas por Hobsbawm. Elas não podem, no entanto, ser respondidas, pois, especulam sobre possibilidades; destarte, não haverá um consenso sobre as respostas, apenas suposições.

Kennet Maxwell, notável historiador brasilianista, é outro a aventurar-se pelo caminho do contrafactual. Para ele a História do Brasil não permite “leituras convencionais”, ou seja, as interpretações convencionais não conseguem explicar o processo histórico brasileiro, por isso, “(…) é sempre necessário pensar um pouco de forma contrafactual”.

Maxwell, escrevendo para a Folha de S. Paulo, analisa o processo singular da História Brasileira. Ele alega ser impossível encaixar a História do Brasil em interpretações ortodoxas; por isso, é importante pensar “um pouco de forma contrafactual”. Prossegue Maxwell, referindo-se ao processo de independência dos países da América Latina. Enquanto na América Espanhola houve um rompimento com as metrópoles européias, no Brasil houve uma continuidade.

Analisando a Inconfidência Mineira e a vinda da corte portuguesa para o Brasil, Maxwell conclui que esses fatos concorreram para a emancipação do Brasil. No entanto, Tiradentes tentou mudar a História, mas foi D. João quem o fez. Conclui Maxwell: “Será que o Brasil teria se saído melhor, caso Tiradentes tivesse triunfado?”

E sobre os acontecimentos em nossa região? Será que poderíamos usar uma abordagem contrafactual para imaginarmos outras alternativas? Ou será que não? Por exemplo, tomemos um fato: a demolição da antiga Matriz. Esse acontecimento, provavelmente, proporcionaria ardentes debates. Muitas hipóteses poderiam ser levantadas se fizéssemos as perguntas ao passado: – Será que a antiga Matriz de Pará de Minas, construída em inícios do século XIX e reformada por várias vezes, necessitava ser demolida? Não haveria como mantê-la erguida? Seria possível conviver o antigo e o moderno? O que a Matriz simbolizava esfacelou-se junto com suas paredes? E a fé do povo de Pará de Minas, foi afetada com o fato da demolição? Como vêem, serão infinitas as hipóteses, porém, impossível de ser respondê-las ou de haver um consenso sobre o seu desfecho.

Enfim, definitivamente, o historiador não pode, embora, busque com veemência fazê-lo, apresentar uma abordagem conclusiva para os fatos históricos. Ele não tem todas as respostas; mas, pode fazer todas as perguntas.

_____________
Texto publicado no Jornal Diário de Pará de Minas na Coluna do Projeto Resgate Histórico.

janeiro 12, 2008

O enfrentamento dos mundos

Posted in História do Brasil às 11:37 pm por espacointuicao


Hoje iniciando a leitura da obra: “O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil” de Darcy Ribeiro. Deparei-me com uma passagem que não poderia deixar de postar em meu blog.No início do livro, em seu capítulo I, Ribeiro discorre sobre o apossamento das terras do Brasil dos seus verdadeiros donos: os indígenas que aqui viviam. Ele narra o choque das culturas, o primeiro deslumbramento dos dois povos separados pelo oceano e depois o embate dos povos indígenas contra a sua submissão.

No enfrentamento dos mundos, a primeira visão dos “Invasores” era que haviam aportado no éden. As maravilhas que vislumbravam, os corpos perfeitos e plenamente adaptados para a vida selvagem, a atração irresistível pelas mulheres símbolos da perfeição – a moura perfeita – , corpos adornados por plumas coloridas. E eles, navegantes, barbudos, hirsutos, fedentos, infestado de chagas, atacados que eram pelo escorbutos, corpos dementes.

Pouco mais tarde a visão idílica se dissipa, aqueles homens e mulheres, descendentes de Adão e Eva, de vida livre, que não conheciam o pecado, tinham um “(…) defeito capital: eram vadios, vivendo uma vida inútil e sem prestança. Que é que produziam? Nada. Que é que amealhavam? Nada. Viviam suas fúteis vidas fartas, como se neste mundo só lhes coubesse viver.”(RIBEIRO, 2006: 41).

Aos olhos desse povo selvagem que preferia mais dar do que receber, amantes da liberdade, viventes do presente, aqueles homens vindos do além mar pareciam aflitos demais, atiravam-se aos afazeres como se tudo fosse terminar no dia seguinte. Avançavam sobre as caças, as florestas como se fossem acabar, sobre os peixes como se os rios e o mar fossem secar. Matando e acumulando, mais do que podiam comer ou usar, tudo isso era demais para a compreensão dos povos selvagens que aqui viviam.

Ribeiro passa então a citar Léry em um diálogo de um Tupinambá com um estrangeiro:

Os nossos tupinambás muito admiram dos franceses e outros estrangeiros se darem ao trabalho de ir buscar os seus arabutan. Uma vez um velho perguntou-me: Por que vindes vós outros, maírs e pêros [franceses e portugueses] buscar lenha de tão longe para vos aquecer? Não tendes madeira em vossa terra? Respondi que tínhamos muita, mas não daquela qualidade, e que não a queimávamos, como ele o supunha, mas dela extraíamos tinta para tingir, tal qual o faziam eles com os seus cordões de algodão e suas plumas.

Retrucou o velho imediatamente: e porventura precisais de muito? – Sim, respondi-lhe, pois no nosso país existem negociantes que possuem mais panos, facas, tesouras, espelhos e outras mercadorias do que podeis imaginar e um só deles compra todo o pau-brasil com que muitos navios voltam carregados. – Ah! Retrucou o selvagem, tu me contas maravilhas, acrescentando depois de bem compreender o que eu lhe dissera: Mas esse homem tão rico de que me falas não morre? – sim, disse eu, morre como os outros.

Mas os selvagens são grandes discursadores e costumam ir em qualquer assunto até o fim, por isso perguntou-me de novo: e quando morrem para quem fica o que deixam? – Para os seus filhos se os têm, respondi; na falta destes para os irmãos ou parentes mais próximos. – Na verdade, continuou o velho, que, como vereis, não era nenhum tolo, agora vejo que vós outros maírs sois grandes loucos, pois atravessais o mar e sofreis grandes incômodos, como dizeis quando aqui chegais e trabalhais tanto para amontoar riquezas para vossos filhos ou para aqueles que vos sobrevivem! Não será a terra que vos nutriu suficiente para alimentá-los também? Temos pais, mães e filhos a quem amamos; mas estamos certos de que depois da nossa morte a terra que nos nutriu também os nutrirá, por isso descansamos sem maiores cuidados (Léry apud Ribeiro, 2006: 41-2).

(*) Imagem de Darcy Ribeiro, site da Academia Brasileira de Letras. Disponível em http://www.academia.org.br/abl/media/darcy_ribeiro.jpg. Em 12/01/2008
__________________________
Referências Bibliográficas

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2006. (pp. 11-42).